Brigada Estudantil apela à participação na manifestação Resgatar o Futuro, Não o Lucro

Enquanto Brigada Estudantil, subscrevemos o manifesto Resgatar o Futuro, Não o Lucro porque não aceitamos ter o nosso futuro, mais uma vez, hipotecado. Não aceitamos que os lucros do 1% se sobreponham à nossa educação.

O cenário pandémico veio aprofundar o fosso das desigualdades sociais e, como era expectável, as universidades portuguesas não souberam zelar pelas seu corpo estudantil e deixaram milhares numa situação de incerteza e em risco de abandono escolar.

Como estudantes, vimos os rendimentos das nossas famílias reduzidos e muitas de nós ficámos sem a possibilidade de continuar a pagar propinas. Quando recorremos às nossas instituições de ensino e expusemos estas situações precárias em que vivemos, não recebemos resposta. Fomos ignoradas e a propina continuou a ser cobrada como se nada se passasse.

Lutamos por um ensino público, gratuito e democrático. Um ensino que reconheça que não partimos todas da mesma linha de partida. Um ensino que reconheça a intersecção de opressões que condicionam a vida de milhares de estudantes. Um ensino que compreenda como o elitismo das faculdades deixa de fora milhares de estudantes precárias, afrodescendentes, ciganas. Um ensino que não explore as suas estudantes internacionais com propinas absolutamente incomportáveis. Queremos que o nosso futuro académico não seja uma incerteza, queremos estudar sem ter de escolher entre pagar a propina ou a renda.

Como ativistas, há anos que saímos à rua para exigir um futuro condigno num planeta habitável, mas recebemos apenas promessas vazias. Estamos exaustas. Promessas vazias já não são toleráveis. Esta crise pandémica provocada pelo COVID-19, a subsequente crise socioeconómica e a resposta do governo e dos grandes grupos económicos deixou bem claro que este sistema ultrapassado já não nos serve. Está na hora de pôr de lado o ​business as usual. ​ Exigimos que nos sejam dadas respostas concretas que coloquem as pessoas à frente dos lucros. Acreditamos que podemos construir um novo sistema que seja justo para todas.

Dia 6 de junho saímos à rua para ​Resgatar o Futuro, Não o Lucro porque durante as nossas vidas, nunca soubemos o que é estar de outra forma que não em crise. Habituamo-nos a não ter expectativas sobre um futuro sem precariedade, nem sobre poder frequentar a faculdade que queremos ou morar onde queremos. Dia 6 de junho exigimos respostas que salvem as pessoas e o clima!

Segue-nos nas redes sociais: