Rés do Chão apela à participação na manifestação Resgatar o Futuro, Não o Lucro

Casa decente
Sair à rua, reivindicar os nossos direitos, tomar o protagonismo de uma luta que, bem o sentimos, tem sido desigual, justifica-se na fórmula simples, mas contundente e clara, de Zé Mário Branco: “Nós queremos trabalho, casa decente e pão para toda a gente”.

O histórico problema da habitação apenas se agravará com esta pandemia. Com a perda de rendimento e sem um aumento significativo do parque habitacional público as pessoas terão menos capacidade e o Estado manterá as respostas inexistentes. Saímos à rua por sabermos que esta pandemia não afetou todas as pessoas da mesma maneira. Na verdade, não afetou sequer todas as pessoas. Pediu-se às pessoas para ficarem em casa. Como é que os habitantes do Bairro da Jamaica ficam em casa? Com que condições de segurança e de saúde? Como é no Bairro da Torre, sem eletricidade e com condições indignas se cumpre a quarentena? Por que motivo as respostas do Governo nesta pandemia passaram pela perda de rendimento do trabalho, mas nenhuma perda para Bancos e pessoas que vivem do negócio da habitação?

Estas são as perguntas que queremos ver respondidas. É para mudar as respostas habituais que dia 6 iremos começar a Resgatar o Futuro.

Segue-nos nas redes sociais: